“Adultos em muitos países ao redor do mundo que mostraram baixos níveis de conhecimento financeiro deixam de adotar comportamentos que poderiam melhorar sua segurança financeira, além de terem atitudes orientadas para o curto prazo” diz a OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico).

Eu preciso?
Eu posso?
Eu devo?
Fazer-se essas perguntas ajuda a evitar o consumo por impulso, diz Renato De Vuono, fundador do Café com Finanças. Ele explica que “a segunda pergunta é a barreira sequencial caso a primeira falhe [e você minta] para si “criando uma necessidade”. Ele ensina a ser frio, rigoroso, e esperar até o dia seguinte para comprar; afinal os vendedores são treinados para convencer.
Uma pessoa incapaz de planejar suas finanças pessoais e controlar dívidas é considerada uma analfabeta financeira.
 A  OCDE define alfabetismo financeiro como:
uma combinação de consciência, conhecimento, habilidade, atitude e comportamento necessários para tomar decisões financeiras acertadas e, no final das contas, conquistar bem-estar financeiro individual.

Toda vez que gasta com algo que não lhe oferece qualquer retorno, por menor que seja, você desperdiça seu dinheiro e também os recursos naturais. Os exemplos são muitos, como comprar um alimento e deixar estragar, ser multado no trânsito, pagar contas em atraso, pagar a academia e não frequentá-la, comprar algo sem utilidade só porque estava em promoção.

 Por que você compra?
Dentre os muitos fatores que influenciam o comportamento de gestão de dinheiro das pessoas, os principais são: a procrastinação, o arrependimento e aversão à perda, contabilidade mental, preconceito de status quo e sobrecarga de informações. Ou seja, as pessoas nem sempre agem em seu “melhor interesse racional” e  a situação dentro da qual fazemos nossas escolhas têm um profundo efeito sobre o nosso comportamento – mesmo quando dispomos da informação “correta” ou da educação “correta.
Para mudar o Comportamento Financeiro
A primeira forma de mudar o comportamento é adquirir informação,
Muda-se o comportamento “mudando mentes” através do impacto sobre as habilidades, o conhecimento,.
Presume-se que as pessoas irão analisar as várias Informações de políticos, governos e mercados, os inúmeros incentivos oferecidos a eles e agir de forma a refletir o que seja melhor para eles.
 A segunda forma de mudar o comportamento é mudando o ambiente onde a pessoa age e onde a informação, ou educação, tem pouco ou nenhum impacto. Esta forma mostra que as pessoas podem agir irracionalmente contra seus próprios interesses.
O quadro abaixo revela que as influências mais fortes sobre o comportamento das pessoas vem da situação e do contexto.
Mensageiro Somos influenciados fortemente  por quem nos transmite a informação
Incentivos  Incentivos nos dão boas razões para agir (por exemplo, uma recompensa ou a prevenção de perdas).
Normas Somos fortemente influenciados pelo que os outros fazem
Omissão Vamos com o fluxo de opções pré-estabelecidas
Saliência Somos atraídos por coisas que são novas, relevantes ou simples
Iniciação Podemos ser influenciados por sinais sub-conscientes
Afeto Nossas emoções podem moldar de forma poderosa nossas ações
Compromissos Procuramos manter a palavra
Ego Agimos de acordo com o que nos faz nos sentirmos melhor conosco mesmos.
unitedkingdom
Habilidade e conhecimento são a capacidade de se envolver na atividade.
Oportunidade são todos os fatores, sociais e físicos, que estão fora do indivíduo e que tornam possível ou impelem o comportamento.
Motivação compreende as necessidades de:
 – pertencimento (a necessidade de  relacionamentos fortes e estáveis),
– de entendimento (de compartilhar um significado, e de previsão),
– de controle (necessidade de perceber um elo entre o comportamento e o resultado).
– auto-confiança (necessidade de ser merecedor e capaz de progresso)  –  confiança (necessidade de acreditar na bondade dos outros).
Esses elementos, ao mesmo tempo em são influenciados pela experiências e pela personalidade da  pessoa, formam a capacidade financeira dela.
Informe-se
 
A fim de municiar nossos leitores, selecionamos sites com material sobre educação financeira:
Curso online gratuitos: Matemática Financeira Básica e Educação Financeira para Jovens, na Comissão de Valores Mobiliários.
Muitas informações sobre dinheiro, jogos, e até uma radio-novela, em Finanças Práticas
Muitos testes, e vídeos para quem não está acostumado a ler: Educação Financeira
Instituto Educacional do Bovespa certifica profissionais e ajuda a população a tomar decisões financeiras mais autônomas e conscientes. Oferece cursos de Finanças Pessoais, Mercado Financeiro, vídeos para crianças, e uma competição que ensina o funcionamento do mercado.
A Estratégia Nacional de Educação Financeira (ENEF) foi criada para promover a educação financeira dos cidadãos. Possui muito material: dicas, testes, simuladores, vídeos, áudios, aplicativos e publicações. E cursos sobre Educação Fiscal.
O Banco Central do Brasil tem um Caderno para Educação de Finanças Pessoais que começa fazendo a distinção entre necessidade e sonho, ensina a fazer orçamento, investir e se prevenir, e termina com exercícios para você avaliar seu nível de alfabetização.
Questionário para Jovens avaliarem como gastam seu dinheiro.
 Curiosidades.
A OCDE surgiu após a Segunda Guerra Mundial, com o objetivo de incentivar a colaboração para reconstrução, evitando dessa forma os erros da Primeira Guerra Mundial.