Dando continuidade a série: “50 máquinas que mudaram o rumo da história”. Vamos falar sobre o mecanismo utilizado pelo telefone-castiçal automatic electric, mas vamos falar um pouco da história do telefone.

A DISPUTA POR PATENTES

Como todas as invenções e em especial as invenções ligadas a comunicação, há diversas disputas judiciais quanto as patentes que geram décadas. Isso demostra o quanto é difícil de determinar a originalidade de cada invenção a partir de elementos preexistentes e baseadas em princípios teóricos estabelecidos que muitas vezes levavam ao desenvolvimento simultâneo de aparelhos parecidos; elas também ressaltavam quanto podia ser lucrativo para o primeiro a comercializar certas inovações.

A invenção do telefone de linha fixa não fica fora dessa disputa, onde há diversos debates entre os defensores de cada inventor, causando atrito entre eles.

A GUERRA PELA TRANSMISSÃO DE VOZES

Logo após a chegada do primeiro telegrafo a fio no Reino Unido em 1839, transmitindo código Morse, diversos inventores buscaram transmitir a voz humana através de seus cabos.

INVENTORES

O franco-belga Charles Bourseul (1829-1912), inventor do telefone de “armar e desarmar” em 1854.

O alemão Johann Reiss (1834-1874), inventou o “Telephon” em 1869 foi o primeiro dispositivo a ser chamado de “telefone”.

O italiano Antonio Meneei (1808-1889), em 1871 registrou uma patente provisória junto ao U. S. Patent Office para sua invenção de 1854 da transmissão eletromagnética de voz.

A maior disputa que há nesse conflito pela patente dos Estados Unidos é entre Alexander Graham Bell (1847-1922) e Elisha Gray (1835- 1901).

Tanto a patente de Bell quanto a patente provisória de Gray foram registradas no mesmo dia, 14 de fevereiro de 1876, com duas horas de diferença, onde Bell foi o primeiro a patentear e com isso tem o mérito de ser o inventor do telefone.  

COMO ERAM REALIZADAS AS PRIMEIRAS LIGAÇÕES

A princípio as linhas telefônicas eram limitadas, instaladas individualmente, conectando dois assinantes de forma direta sem nenhuma central para fazer a ligação. Para fazer um “telefonema”, um deles acionava o seu aparelho até o outro atender na outra ponta da linha. Se esse sistema tivesse sido mantido as cidades estariam repletas de fios telefônicos. Para evitar todo esse sistema de fiação surgiu a primeira central telefônica, baseada nas centrais de telegrafia, foi inaugurada em 25 de janeiro de 1878, em Connecticut, nos Estados Unidos.

Exemplos dessas centrais telefônicos são vistas em filmes de época, onde mostra a pessoa ligando para a central telefônica e informava o número o qual desejaria se comunicar.

A telefonista estabelecia a conexão com pares de fios que eram plugados manualmente em uma mesa telefônica. Enquanto havia poucas linhas telefônicas o sistema funcionou bem, mas as linhas telefônicas foram aumentando e foram surgindo linhas telefônicas de longa distância foi visto a necessidade de automatizar o sistema para conectar os usuários de forma mais rápida e eficaz.

UM PROBLEMA POR TER UMA TELEFONISTA COMO INTERMEDIÁRIA E A BUSCA PELA SOLUÇÃO

Essa história contada é dita por grande parte das referências da época que fala sobre Almon Strowger (1839-1902), um agente funerário Kansas City, Missouri, na década de 1880 percebeu que seus negócios não estavam andando bem.

Certo dia ele estava fora de sua funerária e precisou falar com um de seus funcionários, ligou para a central telefônica e pediu que a telefonista passasse para sua funerária, sua ligação foi completada, mas quem atendeu foi a recepcionista de outra funerária que atendeu, a princípio ele achou normal devido ao um acordo entre os diversos comerciantes, onde cada novo telefonema deveria ser direcionado para diferentes destinatários. Tentou fazer outra ligação, mas a cada nova ligação sempre eram direcionadas para a mesma funerária.

Cansado da situação, Strowger foi à central telefônica e descobriu o que estava acontecendo.  A telefonista tinha um relacionamento amoroso com o dono da funerária concorrente. A situação foi resolvida. Mas mesmo com a situação resolvida Strowger percebeu o problema em ter um intermediário na central telefônica, pois pessoas podem ser compradas e acordos podem ser refeitos.

Diante do fato Strowger começou a desenvolver junto com o seu sobrinho uma central telefônica automática. Muito embora outras tentativas de centrais telefônicas estivessem sendo desenvolvidas na mesma época, a central telefônica de Stowger foi a que se tornou a base para o desenvolvimento da telefonia. A primeira central telefônica automática de Strowger foi finalizada em 1889, ano que solicitou a patente de sua invenção, concedida em 1891.

Após o sucesso com sua invenção, ele largou a funerária e abriu sua empresa de Seletores Automáticos de telefonia em 1891. Apesar de não tão falado como Alexander Graham Bell, Strowger é um dos pais da telefonia. Sua central telefônica automática e os padrões passo a passo e controle por pulsos foram e ainda são utilizados pela telefonia.

O SISTEMA DE STROWGER

O sistema de Strowger era o mecanismo utilizado pelo telefone-castiçal automatic electric, que era o mecanismo automatizado de tranfência de chamadas que viria substituir a telefonista da central telefônica.

Os telefones Strowger Automatic Electric originais não tinham disco giratório. Antecipando o desenvolvimento muito posterior da tecnologia de teclas pressionáveis, eles possuíam botões que o usuário precisava apertar um determinado número de vezes para que os contatos na central “subissem” passo a passo e fizessem a conexão com o telefone desejado. Em 1896, a Automatic Electric introduziu o primeiro telefone com disco giratório, que permaneceu em uso até o final do século XX.

Curiosidades

Para realizar a ligação usando o sistema de Strowger, o usuário deveria realizar a combinação do acionamento de três botões GH e I, localizados numa caixa em sua casa (sim, isso no futuro se tornou o teclado numérico).

Exemplo: Para ligar para o número 428, então deveria pressionar o botão G das dezenas 4 vezes, resultando num movimento para a posição 4 no eixo vertical da central telefônica; depois pressiona 2 vezes o botão H das dezenas e a primeira roda dentada moverá dois passos, e então por último 8 vezes o botão das unidades e a última roda dentada fara o contato com o destino.

Se mudarmos a chave do telefone fixo de “tone” para “pulse” e apertar qualquer tecla vai escutar os pulsos equivalentes à aquela tecla e esses pulsos são equivalente a quantidade de vezes que você deveria pressionar as teclas nas primeiras centrais de Strowger.

Referências Bibliográficas

1878: SURGE A PROFISSÃO DE TELEFONISTA. Deutsche Welle. Disponível em:<

https://www.dw.com/pt-br/1878-surge-a-profiss%C3%A3o-de-telefonista/a-412863#:~:text=A%20primeira%20central%20telef%C3%B4nica%20do,Bell%20obteve%20um%20%C3%AAxito%20sensacional> Acesso em 07 de jun. de 2020.

CHALINA, Eric. 50 Máquinas que mudaram o Rumo da História. Tradução de Fabiano Morais. Rio de Janeiro. Sextante. 2014.  

HISTÓRIA DO TELEFONE. Portal São Francisco. Disponível em<https://www.portalsaofrancisco.com.br/historia-geral/historia-do-telefone>. Acesso em:07 de jun.2020.

O QUE UM AGENTE FUNERÁRIO E UM TELEFONE TEM EM COMUM? Deviante. Disponível em<https://www.deviante.com.br/noticias/o-que-um-agente-funerario-e-um-telefone-tem-em-comum> Acesso em 07 de jun. de 2020.