“Mate ao Branco, Castre o Cadáver e o De aos Porcos”. Ass.: Professora Universitária.

 

“É Dra Vaca, para você, filho. Não nos tratamos pelo primeiro nome.” Fair em foto para artigo sobre misoginia. 

Por Tom Ciccotta, no Breitbart.

 

A professor da Universidade de Georgetown, Christine Fair, foi suspensa do Twitter no dia 2, depois de um tweet em que pedia atos de brutalidade contra os senadores do Partido Republicano.

Olhe para [este] coro de homens brancos, que se acham com direitos, justificando o direito arrogado de um estuprador em série. Todos eles merecem mortes miseráveis enquanto as feministas riem enquanto eles dão seus últimos suspiros. Bônus: nós casamos seus cadáveres e os damos como alimentos aos porcos? Sim.

Em um breve comentário à Fox News, Fair disse que suas palavras foram escolhidas para deixar seu público desconfortável. Ela acrescentou que seu tweet era um “discurso privado”, o que significa que seria inapropriado o empregador puni-la por isso. De acordo com sua biografia de Georgetown, “Christine Fair é Professora Associada Distinta do Provost no Programa de Estudos de Segurança da Escola de Serviço Exterior Edmund A. Walsh da Universidade de Georgetown”.

C. Christine Fair and canine associate, Ms. Oppenheimer

Foto (desatualizada) do pefil da professora.

Infelizmente, as universidades puniram os alunos por discursos privados no passado. Tomemos por exemplo um incidente envolvendo o time de futebol masculino de Harvard. Em 2016, Harvard cancelou a temporada de futebol masculino depois que foi revelado que membros da equipe comentaram em particular a aparência de membros do time de futebol feminino. Aparentemente, em nosso mundo moderno, é muito mais escandaloso falar sobre a atratividade de seus pares em um campus do que pedir a morte brutal de funcionários públicos porque eles são “homens brancos que se acham com direitos”.

Georgetown Professor Christine Fair

Christine Fair. Observe os adesivos em seu computador.

Em um comentário, um porta-voz da Georgetown confirmou exatamente isso. Georgetown não punirá o discurso privado do Professor Fair, independentemente de quão questionável possa ser.

“Nossa política não proíbe a fala com base na pessoa que apresenta as ideias ou no conteúdo dessas ideias, mesmo quando essas ideias possam ser problemáticas, controversas ou objetáveis”, diz a declaração. “Ao mesmo tempo  em que os membros do corpo docente podem exercer a liberdade de expressão, esperamos que suas salas de aula e interação com os alunos sejam livres de preconceitos e voltadas para um diálogo ponderado e respeitoso”.

Glenn Greenwald, do Intercept, comentou sobre a suspensão em uma série de tweets. Ele salienta em sua série que os defensores da censura ficam inevitavelmente surpresos quando as próprias regras que criam e apoiam são usadas contra eles. Isso se aplica tanto aos professores universitários quanto aos guerreiros on-line de justiça social.

Mais da professora aqui.

Fonte:
www.huffingtonpost.com/entry/thattoo-on-the-quotidian-misogyny-of-everyday-slights_us_5a1a5504e4b068a3ca6df890
www.christinefair.net/html_pages/home.html

About The Author

Instituto IESS

A Equipe Editorial do Instituto IESS é composta por um time de experts em Educação Presencial e à Distância. Com colaboradores espalhados pelo Brasil e o mundo, consolidamos uma organização apolítica, supra-religiosa sem fins lucrativos e que visa ajudar a sociedade trazendo atividades sociais e educativas.

Leave a reply