“Nossa política não proíbe a fala com base na pessoa que apresenta as ideias ou no conteúdo dessas ideias, mesmo quando essas ideias possam ser problemáticas, controversas ou objetáveis”, diz a declaração. “Ao mesmo tempo  em que os membros do corpo docente podem exercer a liberdade de expressão, esperamos que suas salas de aula e interação com os alunos sejam livres de preconceitos e voltadas para um diálogo ponderado e respeitoso”.

Glenn Greenwald, do Intercept, comentou sobre a suspensão em uma série de tweets. Ele salienta em sua série que os defensores da censura ficam inevitavelmente surpresos quando as próprias regras que criam e apoiam são usadas contra eles. Isso se aplica tanto aos professores universitários quanto aos guerreiros on-line de justiça social.

Mais da professora aqui.

Fonte:
www.huffingtonpost.com/entry/thattoo-on-the-quotidian-misogyny-of-everyday-slights_us_5a1a5504e4b068a3ca6df890