Autor: Instituto IESS

Eleitores se vendem para bandidos

Para quem não vai ler o artigo inteiro, eis o resumo: Nunca houve um ditador que não ajudasse os mais pobres. “O PT não investe no pobre, o PT investe no funcionalismo público”   Condensação do artigo de João César de Melo, no Instituto Liberal, sob o título Como criminosos, políticos corruptos e ditadores compram parte do apoio popular. Na Venezuela devastada pelo socialismo, Nicolás Maduro conta com 30% de aprovação. Boa parte dos cubanos apoiam a ditadura comunista em vigor no país. Hitler e Mussolini, até seus últimos dias, tinham seus rebanhos. Devemos nos lembrar também que criminosos são muito populares quando controlam comunidades. Os moradores sabem que eles sequestram, torturam e matam pessoas, mas consideram importante a ajuda que recebem: um botijão de gás, o transporte de um filho para o hospital, o dinheiro para festas e até a segurança do bairro. O cangaceiro Lampião, que na verdade foi o líder de uma gangue de ladrões e assassinos, ainda é reverenciado como herói por ter “ajudado os mais pobres”. José Sarney, o ex-presidente responsável pelos desastrosos planos Cruzado I e II, foi eleito e reeleito senador após deixar o cargo. Sarney “ajudou os mais pobres”. Fernando Collor, o presidente que confiscou a poupança dos brasileiros e que sofreu impeachment, foi eleito senador em 2014 com 55% dos votos em Alagoas. Collor “ajudou os mais pobres”. Paulo Maluf, que até o PT chegar ao...

Read More

Por que os piores políticos são eleitos

Resumo para quem não vai ler o artigo inteiro: “Porque a grande maioria das pessoas acredita que a política poderia ser outra coisa.” “A ingenuidade está em acreditar que existem seres humanos que dariam função social ao poder em vez de utilizá-lo em benefício próprio; e essas criaturas abnegadas seriam detectadas a partir dos discursos lindos e bonitinhos que fazem.” João César de Melo explica, no Instituto Liberal, porque os piores candidatos se elegem. Leia o artigo completo aqui.   […] A crença de que devemos confiar ao estado a promoção do bem-estar social sustenta-se na idealização do “bom político”, do representante popular modelo de honestidade e de competência, cuja sabedoria e espiritualidade farão jus à confiança que a sociedade lhe conceder. Para ajudá-lo na construção da justiça social, a maior parte da sociedade idealiza um partido político diferente dos outros, cujos membros seriam tão honestos, tão competentes, tão sábios e espiritualizados quanto o seu líder – como o PT já foi visto um dia. A ingenuidade está em acreditar que existem seres humanos que dariam função social ao poder em vez de utilizá-lo em benefício próprio; e essas criaturas abnegadas seriam detectadas a partir dos discursos lindos e bonitinhos que fazem. Friedrich Hayek, em seu livro O Caminho da Servidão, explica não apenas a impossibilidade de realização desse desejo, mas também a razão pela qual a política é preenchida sempre pelas pessoas menos aptas à administração do estado...

Read More

Exposta Farsa em Universidade

 As universidades carecem do mais importante tipo de diversidade… a diversidade de pensamento. Alexander Kirk, fundador de Turning Point Dois professores levam uma revista universitária a publicar dois artigos falsos. Estudos de gênero não era uma opção na faculdade há alguns anos, mas eis como MIT descreve seu programa: Explorar o gênero com as ferramentas de disciplinas diferentes, e muitas vezes múltiplas, as disciplinas de Estudos de Mulheres e de Gênero se esforçam para ajudar os alunos a entender melhor como o conhecimento e o valor assumem formas diferentes dependendo de uma variedade de variáveis ​​sociais. No curso de sua investigação, os alunos não só aprendem a usar o gênero como uma categoria de análise, mas também refletem sobre a manifestação do gênero em suas próprias vidas, levando a uma série de descobertas pessoais e intelectuais. Embora o gênero seja um componente central de cada assunto, o estudo do gênero requer atenção às conexões entre gênero, sexualidade, raça, classe, religião, nacionalidade e outras categorias sociais; diferentes tópicos lançam luz sobre diferentes aspectos de tais conexões. Soa fascinante, principalmente para muitos professores e intelectuais. Mas para pessoas honestas e capazes de raciocinar, nas universidades há áreas de estudo completamente cheia de mentiras, fraude e ciência esquisita e exagero. A disciplina de Estudos de Gênero, por exemplo. ensina que todas as mulheres são vítimas potenciais, que todos os homens são predadores potenciais...

Read More

O Facebook é Capitalista, em 13 exemplos.

  Um vegetariano almoçando todos os dias numa churrascaria? Um defensor dos direitos dos animais usar sapatos feitos de couro de jacaré? Uma pessoa que defende direta ou indiretamente regimes que restringem a liberdade de expressão se utilizar de uma ferramenta que potencializa essa liberdade? João César de Melo  enumera treze exemplos de que o Facebook representa tudo o que o socialismo rejeita. Artigo original no Instituto Liberal. 1° – O Facebook originou-se nos Estados Unidos, não noutro país, porque a liberdade de expressão é respeitada. Qual governo da América Latina permitiria que uma pessoa comum criasse uma rede social com suas próprias políticas de privacidade e termos de uso, usada para criticar e ridicularizar políticos, formar grupos e organizar manifestações contra o governo? Nenhum. . 2° – Mark Zuckerberg e seus colegas de faculdade eram dignos representantes do que os socialistas chamam de “elite branca burguesa” − jovens alienados e pervertidos que criaram uma rede social visando promover a farra dos estudantes. Pior: Zuckerberg é judeu. 3° – Logo que sua rede foi expandida para outras universidades, Mark Zuckerberg enxergou a possibilidade de obter altos lucros e procurou investidores capitalistas que impulsionaram seu negócio até chegar à escala atual, com mais de 1 bilhão de usuários em todo o mundo. Sob a ótica marxista, Mark Zuckerberg contribui para acentuar a desigualdade social e econômica, já que ele se tornou mais um...

Read More

12 e 13 de Maio: Conferência em São Paulo

O Instituto Mises Brasil comemora os 10 anos de atividades promovendo a 5° edição da Conferência de Escola Austríaca no Brasil. A Conferência já se consolidou como o maior e mais importante evento da Escola Austríaca do país, sempre contando com seus maiores representantes internacionais e nacionais. Todos aqueles interessados em economia — e em viver em uma sociedade livre — terão a oportunidade de se reunir e estar em contato com grandes mestres da ciência econômica e da filosofia libertária.   Interessados devem inscrever-se pelo site da...

Read More